Resenha: A Voz do Arqueiro – Mia Sheridan

sinopse

Bree Prescott quer deixar para trás seu passado de sofrimentos e precisa de um lugar para recomeçar.A_VOZ_DO_ARQUEIRO Quando chega à pequena Pelion, no estado do Maine, ela se encanta pela cidade e decide ficar.

Logo seu caminho se cruza com o de Archer Hale, um rapaz mudo, de olhos profundos e músculos bem definidos, que se esconde atrás de uma aparência selvagem e parece invisível para todos do lugar. Intrigada pelo jovem, Bree se empenha em romper seu mundo de silêncio para descobrir quem ele é e que mistérios esconde.

Alternando o ponto de vista dos dois personagens, Mia Sheridan fala de um amor que incendeia e transforma vidas. De um lado, a história de uma
mulher presa à lembrança de uma noite terrível. Do outro, a trajetória de
um homem que convive silenciosamente com uma ferida profunda.

Archer pode ser a chave para a libertação de Bree e ela, a mulher que o ajudará a encontrar a própria voz. Juntos, os dois lutam para esquecer as marcas da violência e compreender muito mais do que as palavras poderiam expressar.

dados-tecnicos

Título do livro: Archer’s voice – A Voz do Arqueiro

Autor(a): Mia Sheridan

Editora: Arqueiro

resenhando

Sempre fico muito feliz em descobrir um novo autor (a), nesses últimos dias me entreguei aos livros de Mia Sheridan, comecei por Leo (The sign of Love), depois Leo’s second chance e por fim, o livro do momento, Archer’s voice. Gostei muito de todos os livros, mas hoje a resenha é só sobre Archer’s voice, eu terminei de ler o livro pensando que essa é o tipo de história que eu gostaria de escrever.

Vamos ao que interessa: a resenha.

                O livro narra praticamente dois triângulos amorosos ao mesmo tempo, conta a história dos pais de Archer, e como a história deles o levou a ser um eremita, um jovem de 23 anos que praticamente não sai de sua propriedade, vive com seus projetos e sua rotina, se fazendo de invisível para todos.

                Archer sofreu um acidente quando era criança por isso ele não fala, se comunica somente através da linguagem de sinais, isso o ajuda a se manter invisível na cidade em que vive, ninguém sabe como se aproximar dele e ele também não se esforça para se comunicar com os demais. Até que Bree chega à cidade fugindo de uma tragédia em sua vida, assim como Archer, o pai de Bree também não falava por isso ela domina a linguagem dos sinais.

                Archer e Bree desenvolvem uma amizade muito bonita e aos poucos vai se transformando em amor, porém como Archer é praticamente um eremita, evitando ao máximo sair de sua propriedade e por ele não se relacionar como mais ninguém, todas essas emoções e experiências são novas.

“Try to believe that maybe more light shines out of those who have the most cracks.”

(Eu tento acreditar que talvez a luz brilhe mais por aqueles que tem mais rachaduras)

                Mia Sheridan narra de forma linda essas primeiras experiências, as confusões do primeiro amor, e muito facilmente o leitor se perde nos personagens, nas aflições de Archer e Bree.

          Mesmo como todas as dificuldades emocionais, o amor que um sente pelo outro os ajudam a superar as dificuldades, Bree é a primeira que consegue colocar o passado sob uma melhor perspectiva e continua lutando para ajudar Archer, porém, ele é puro em todos os sentindos, ele não vê maldade nas pessoas e não entende a sociedade da forma como a qual a vemos, talvés esse seja o grande aprendizado do livro: A forma mais pura do amor, das superações do dia-a-dia, mas não só isso, a superação de uma passado que não é do Archer, mas que o influenciou diretamente.

“Maybe there was no right or wrong, no black or white, only a thousand shades of gray when it came to pain and what we each held ourselves responsible for.”

(Talves não haja certo e errado, não haja preto ou branco, somente mil tons de cinza quando lidamos com a dor que cada um de nós somos responsável)

Ele entende para que possa vivenciar esse amor por Bree completamente é necessário que ele faça mudanças na vida, ele precisa sair da zona do conforto que o isolamento o proporciona, mas será que Bree consegurá ajudá-lo?

                The Archer’s voice é um dos meus livros favoritos, a simplicidade das experiencia dos persagens, o amor sem limites que é demonstrado nos pequenos gestos, o suspense e romance que envolvem toda a história fazem o leitor se entregar totalmente.

                               “..the loudest words are the ones we live.”

                          (As palavras mais altas são aqueles que vivemos)

Tradutora, revisora e blogueira ! Apesar de ser carioca, moro em Boa Vista, RR! Sou apaixonada pelos clássicos, mas não resisto a um bom romance açucarado, na minha estante não falta Colleen Hoover, Jessica Park, Tarryn Fisher, Abbi Glines e vários autores nacionais.

15 Responses to Resenha: A Voz do Arqueiro – Mia Sheridan

  1. 1

    OI Isadora! Não conhecia o livro, mas fiquei bem interessada viu, gosto do genero e depois que li que é um dos teus livros preferidos fiquei bem curiosa, quero saber o que ele tem de bom ♥

    Espero ter a oportunidade de ler em breve!

    Beijos,
    Joi Cardoso
    Estante Diagonal

  2. 2

    Nossa esse livro parece ser interessante, fiquei curioso, viu? 🙂

    Abraços!
    Lucas Freitas

    Blog – Sabe o que eu Acho?

  3. 3
    Carla says:

    Nossa Isadora, eu comecei a ler esse livro ano passado, mad nao emplaquei. Li até uns 40% e dps parei. Sei la… alguma coisa na historia nao me prendeu. Agora, li o ‘Leo’ tb e adorei! Esse sim eu gostei bastante. Mas nao cheguei a ler a continuação. Não gosto mto do pov masculino dps de já ter lido o feminino, ai deixei quieto..A Mia é mto boa mesmo!

    Bjooos Carla
    http://lapiselivros.blogspot.com.br

  4. 4
    LARISSA OLIVEIRA says:

    Oiiii

    Eu to louca para ler esse,quase gritei de alegria quando soube que iam lançar ele aqui(meu inglês e quase inexistente)
    Bjs

  5. 5

    Sue,This is a stunning piece that everyone needs to read. You are a stunning human being. I love you my friend BECAUSE of your faults not INSPITE of them.Refer to Ken Robinson TEDTalk and wonder what the world would be like if none of us tried.[rq=789221,0,blog][/rq]

  6. 6

    My gripe was with the fact that Degner said we’re trying to not pay for our local taxes, which you agree we can’t get out of. Thanks for your thoughts. On another note however…I’ll get my news wherever I please and FoxNews isn’t my number one thank you VERY much. In fact it was CNN that turned me on to the taxes (47% thing). Thanks again.

  7. 7

    Hi Tammy, I’d suggest you join our email list on the website… but if you were registered you should’ve been getting the emails already. Can you make sure we’re not going to your SPAM folder? Everything we email out is archived here: . Water temperature was announced from the microphone a various times before the race. Sorry if you didn’t hear it.

  8. 8

    You’re probably right. And that is what passes for integrity in their little world.I just wish they’d put on powdered wigs and fop around more theatrically.

  9. 9
    http://www./ says:

    Je pense que cette idée de dessiner comme un peintre s’illustre parfaitement avec le fusain (voir le pastel): dessiner en masses et non en lignes. J’ai pour ma part beaucoup appris en observant le processus de certains américains comme Liberace ou Scott Burdick. L’idée est de dégager des maitres un processus propre puis de l’améliorer, le bonifier, le mettre à l’épreuve.

  10. 10

    My main goal was to get my mare that has been hurt sound an healthy due to getting hurt last year…im proud to say she is recovered an we are back to hitting the barrel races 2 months ago…it been a long road but well worth it

  11. 11
    http://www./ says:

    Great insight. Relieved I’m on the same side as you.

  12. 12
    http://www./ says:

    I disagree with you SK on that it isn't about combatting terrorism, it is about combatting Islam in its entireity. This video shows that terrorism isn't the problem, it is the spread of Islam, in particular, demographics:It really is now an "us or them" situation in the West.ProudBrit.

  13. 13
    http://www./ says:

    Excellent read, I just passed this onto a friend who was doing some research on that. And he just bought me lunch because I found it for him smile Therefore let me rephrase that: Thanks for lunch! “For most of history, Anonymous was a woman.” by Virginia Woolf.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Excellent read, I just passed this onto a friend who was doing some research on that. And he just bought me lunch because I found it for him smile Therefore let me rephrase that: Thanks for lunch! “For most of history, Anonymous was a woman.” by Virginia Woolf.