Estante,  Resenhas,  Sem categoria

Resenha: Maya Banks – Rendição

sinopse

rendiçaoJosslyn encontrou perfeição uma vez, e ela sabe que não vai encontrá-la novamente. Viúva, ela procura a única coisa que seu amado marido, Carson, não pôde dar a ela: dominação. Solitária e em busca de uma saída para seu luto, Joss encontra um clube exclusivo, que recebe pessoas a fim de realizarem suas fantasias mais hedonistas. Ela nunca imaginou que encontraria lá o único homem que tem sido, por muito tempo, sua fonte de conforto e desejo secreto – o melhor amigo de Carson.

Dash viveu uma situação insustentável por anos, apaixonou-se pela esposa de seu melhor amigo, mas reprimiu essa atração. Tudo começa a mudar quando ele encontra Joss em um clube dedicado aos mais obscuros limites do desejo. Por que ela estaria num lugar como aquele? Ela faz alguma ideia de onde estaria se metendo? Mas Joss sabe exatamente aquilo que quer e precisa!
Para Dash só resta uma alternativa: se ela quer dominação, ele é o único homem que vai guiá-la por este mundo. O único que vai tocá-la, apreciá-la, amá-la… E o único a quem ela vai se submeter para sempre!

dados-tecnicos

Título do livro: Rendição

Autor(a): Maya Banks

Editora: Leya

 

 

resenhando

 

A resenha de hoje é sobre um livro de uma autora que faz bastante sucesso aqui no Brasil, quem não conhece Maya Banks? Você pode até não ter lido os livros dela, mas aposto que já ouviu falar, ela é autora dos livros Fogo, Obsessão e Delírio, mas agora a Editora Leya publicou também o livro Rendição da trilogia Surrender.

Eu terminei de ler esse livro na semana passada e mesmo já tento lido outras coisas da autora, ainda sim fiquei constrangida com algumas passagens. A história em si é exatamente o que está descrito na sinopse. Josslyn é viúva, o marido dela morre em um acidente de carro, depois de 3 anos de luto ela levanta a poeira e percebe que é hora dela seguir com a sua vida. Joss sempre teve interesse em conhecer casas e práticas de dominação. Ela nunca pediu isso ao falecido marido, pois ele teve um passado extremamente violento e ela sabia que ele não seria capaz de submete-la as práticas que ela tanto desejava.

Após o luto de 3 anos ela começa a mudar de vida justamente por esse aspecto, ela vai até o clube onde há várias formas de práticas sexuais, só que lá ela encontra Dash que era o melhor amigo de seu marido, Dash também sempre foi apaixonado por Joss, mas reprimiu esses sentimentos por respeito ao amigo. Ao encontrá-la no clube, tudo muda, a partir dai Dash faz tudo para que Joss seja dele em todos os sentidos.

E essa é a parte que me deixa desconfortável com o livro, as formas de dominação descritas são sexuais e outras vezes comportamentais e muitas vezes humilhantes, acho valida qualquer relação entre adultos desde que ambos estejam de acordo, mas a forma que a mulher é retratada me deixou um pouco perplexa. Por exemplo, Dash sempre pedia que Joss o esperasse em casa, nua, ajoelhada no meio da sala ou então ele a alimentava, enquanto ela, igualmente nua e ajoelhada, recebia comida das mãos dele.

Apesar de sempre proclamar o amor que ele sente por ela, acho que há uma forte objetivação da mulher, outro ponto negativo é que diferentemente da primeira trilogia lançada pela editora Leya, Rendição tem pouquíssima ação, é realmente um livro erótico que não vai além do que está descrito na sinopse. Sinceramente não acho que seja um livro que acrescenta muito, é para quem realmente curte uma literatura erótica, mas sem nenhum pano de fundo que possa prender o leitor – diferente da primeira trilogia da autora.

E vocês, o que acham dos livros da Maya Banks?

Isadora Duarte

Tradutora, carioca, mas roraimada. Sou apaixonada pela literatura, adoro conhecer novas histórias, universos e autores. Não tenho um gênero favorito, leio de tudo, dos grandes clássicos aos clichês. Se o livro vier acompanhado de uma xícara de café e uma boa resenha, melhor ainda.

Um comentário

  • Avatar

    Carla

    Ei Isa!
    Eu nunca li os livros dela. Se lá, não curto muito a personalidade dos personagens dela.
    Isso ai que você falou sobre como a mulher na história se comporta é um pouco complicado. Sou nada contra o BDSM dentro de um quatro paredes, mas levar esse jogo pra vivência dos personagens eu acho demais. Porque normalmente alguém sempre tem que se humilhar e eu não acho isso legal e de forma alguma consigo criar empatia pelo o personagem, então pra mim não bate.
    Ótima resenha, me falou justamente o que eu queria saber quanto a esse livro. Não vou ler mesmo. hauahuahua
    Bjooos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.