Resenha Dupla: Flat-Out Celeste – Jessica Park


sinopse
flat out celeste

Whether you were charmed by Celeste in Flat-Out Love or are meeting her for the first time, this book is a joyous celebration of differences, about battling private wars that rage in our heads and in our hearts, and—very much so— this is a story about first love.

For high-school senior Celeste Watkins, every day is a brutal test of bravery. And Celeste is scared. Alienated because she’s too smart, her speech too affected, her social skills too far outside the norm, she seems to have no choice but to retreat into isolation.

But college could set her free, right? If she can make it through this grueling senior year, then maybe. If she can just find that one person to throw her a lifeline, then maybe, just maybe.

Justin Milano, a college sophomore with his own set of quirks, could be that person to pull her from a world of solitude. To rescue her—that is, if she’ll let him.

Together, they may work. Together, they may save each other. And together they may also save another couple—two people Celeste knows are absolutely, positively flat-out in love.

dados-tecnicos

Título do livro: Flat-Out Celeste (Flat-Out Love #2)

Autora: Jessica Park

Editora: Kindle

 

resenhando-fernandaAntes de começar a ler Flat-Out Celeste, terceira publicação da série Flat-Out Love, da Jessica Park, eu já tinha certeza que eu amaria a história. Celeste, a personagem principal, já era querida por mim. Conhecendo a literatura da autora, sabia que ela não me decepcionaria. Sabia que seria mais um livro que ganharia cinco estrelas. Foi muito fácil gostar de Flat-Out Celeste.

No primeiro livro da série, Flat-Out Love, Celeste nem era a personagem principal e já havia roubado a cena. O livro conta a história da Julie, uma estudante que vai morar na casa da família Watkins. Logo, ela percebe que a família é desiquilibrada emocionalmente, a começar pela frágil Celeste, de 13 anos, que anda para cima e para baixo com o totem de papelão com a imagem do irmão dela, em tamanho real. Julie ajuda Celeste a lidar com a ausência de seu irmão mais velho e, consequentemente, ajuda a família Watkins a seguir em frente.

Em Flat-Out Celeste, descobrimos que mesmo o tempo tendo passado, Celeste continua sendo uma desajustada. Com 18 anos, ela continua tendo dificuldade em se relacionar socialmente e por conta disso vive isolada. As únicas pessoas próximas dela são seus pais e seu irmão Matt. Celeste está terminando seu segundo grau e está muito feliz que vai poder entrar em uma faculdade e nunca mais ter que lidar com a crueldade que é o ensino médio. Porém, nesse momento de escolha ela descobre que não há como fugir de interação social.  Mesmo na faculdade, ela teria que se relacionar com pessoas. Nesse momento, aparece na sua vida Justin Milano. Ele é um estudante do Borton College e é responsável por prospectar novos alunos para a universidade. Ele entra em contato com Celeste para apresentar a faculdade. Com o tempo, eles ficam próximos e ele começa a resgatar a jovem da solidão.

“You have taught me that I am allowed to like myself just as I am, at whatever stage I am in. I can change, I can stay the same, or I can be whoever it is that is right for me; but I can be satisfied. No, more than that. I can be proud. I can celebrate. That is what I am going to do.”

Flat-Out Celeste é um grande presente da autora para os fãs da série Flat-Out Love. Nele, a gente pode acompanhar como Jessica Park trabalhou muito bem as disfuncionalidades da Celeste e o processo de metamorfose que ela está passando. Em Flat-Out Celeste, a menina está como uma larva de borboleta. Está se fortalecendo para poder sair do casulo, ou seja, para entrar na vida adulta.

She stopped herself. Celeste knew that she was now in dangerous territory. If she was at a point where she was reverting to imagining that her dead brother was standing next to her, then things were bad. Almost three years of carting around a life-size cardboard cutout of him had taught her a thing or two about dysfunctional coping. Flat Finn remained, thankfully, folded on his hinges, safely in the attic.

Vale ressaltar também, que Jessica Park trouxe para o segundo livro da série, elementos que fizeram sucesso no primeiro no Flat-Out Love, através do “relacionamento” de Julie e Finn. Ela usou troca de e-mails para aproximar Celeste e Justin. Também tornou Justin um herói, enquanto ele ajudava Celeste encarar o medo de viajar de avião. Isso tudo me lembrou muito de Julie e Finn.

O livro é divertido, inteligente, doloroso e romântico. Ele nos ensina que só nós mesmos somos capazes de juntar nossos pedaços e seguir em frente. A relação entre Celeste e seu irmão relata como é importante receber suporte nos momentos difíceis, que não precisamos vencer as batalhas da vida sozinhos. Jessica mostra que podemos ficar satisfeitos e orgulhosos de quem somos. Basta ser honesto e sincero conosco mesmo. O que não é correto nos olhos dos outros, pode ser o melhor para você.

Sou fã da Celeste. Tenho muito carinho e compaixão por ela. Mesmo o livro podendo ser lido independentemente dos outros da série, não recomendo que faça isso. A história da família Watkins e de Julie é muito rica para ser desperdiçada. Espero que eu tenha convencido vocês a lerem o livro, não apenas Flat-Out Celeste como a série Flat-Out Love como um todo.

 separador

resenhando-isadora

 Jessica Park é o tipo de autora que consegue fazer com que cada livro seja melhor do que o último. Quando eu li Flat ou Love me apaixonei por Celeste. Ela rouba cena no livro por ser uma personagem extremamente verdadeira, sofremos e crescemos com ela ao mesmo tempo que nos apaixonamos por Matt e Julie.

 Fiquei extremamente feliz quando a autora anunciou que estava escrevendo Flat out Celeste, o livro narra a historia da personagem a partir do final da escola, os momentos decisivos para a entrada da universidade, além disso podemos dar uma espiadinha na história de Julie e Matt.

 Mas então, vamos a resenha:

 Muitas pessoas se preocupam ou têm a curiosidade de saber qual é o diagnostico de Celestes, ela não é “normal”, mas quem é? O sofrimento pela perda do irmão e a forma com a qual a família dela reage a essa perda, moldam a personalidade de Celeste e também a forma com a qual ela percebe e enfrenta as dificuldades diárias.

 Celeste é muito inteligente, mas extremamente sozinha, não se relaciona com as pessoas, por ter medo de rejeição e não sabe quando elas estão sendo verdadeiras ou não. Diálogos entre a personagem e pessoas do dia-a-dia dela são por vezes engraçados, por vezes tristes tamanha a insegurança.

 Celeste começa a mudar durante o processo de seleção para entrada na faculdade, ela imagina como seria a sua vida fora de casa, como que ela se relacionaria com as outras pessoas, com colegas de quarto e etc. Por isso Celeste cria dentro dela uma personagem que se envolve nas situações mais esdrúxulas, como vocalista de banda ou tenta fazer parte de um grupo natureba que prática yoga. Nada disso funciona.

 Ela só começa a mudar quando Justin entra em sua vida. Ele não é um príncipe encantado, mas entende Celeste por ter passado mais ou menos pelo que ela passou, também não sei e sinceramente nem me interessa saber qual o diagnóstico dele, mas é como se ele se dispersasse muito facilmente, mas Celeste faz com que ele se foque e ao mesmo tempo se perca no encantamento que ele sente por ela.

 É esse apaixonar-se que faz com que Celeste se abra para o mundo! Mas ela não pode de fato se entregar a esse amor enquanto ela não se aceitar, é necessário reconhecer suas fraquezas e viver em paz com aquilo que não queremos/podemos mudar.

 “You are who you are. Don’t be ashamed of yourself. At all. Surround yourself with people who cheer you on.”

 Jessica Park mais uma vez surpreendeu os leitores com uma história linda de amor e superação que é ao mesmo tempo triste e engraçadíssima. Poucos autores conseguem juntar sentimentos tão contraditórios num mesmo livro e Jessica Park faz isso com maestria. Flat ou Celeste é um romance que trás a tona as diferenças dos seres humanos, como lidamos ou não com isso, mas como principalmente precisamos estar com as pessoas que amamos para nos encontrarmos e superarmos seja lá o que vem pela frente.

 “What is perceived as normal. That makes it other people’s failings. Deficits. Not yours. Who the hell sets the standards, huh? Who gets to say how we are supposed to be? Or who we are supposed to be? And how dare anyone make you feel inadequate for being who you are? It’s not okay. It pisses me off.”

 

Jornalista. Moro em Niterói/RJ. Viciada em livros. Sempre acordo com olheiras, pois antes de dormir sempre penso “só mais um capítulo”. Em 2013, li cerca de 50 livros. Os que mais me marcaram foram “O lado bom da vida”, Tem Tiny Breaths, os das série Love me with lies, Breathing, Slammed e Hopeless. Para 2014, a meta é 70 livros.

2 Responses to Resenha Dupla: Flat-Out Celeste – Jessica Park

  1. 1
    Nel says:

    Gurias eu ainda não conhecia essa série, mas achei ela muito interessante. É tão raro hoje em dia achar autores que conseguem seguir com uma série sem estragar tudo, principalmente quando se trata de um personagem querido pelos leitores.
    Eu já estou até traumatizada com esse tipo de livro, por sempre me decepcionar quando chega a história do meu personagem favorito.

    Adorei a resenha.
    Bjs
    Nel

  2. 2

    Oi Fer, tudo bem?

    Eu sempre pego esses livros para ler, mas acabo dando prioridade a outros. Contudo, agora fiquei extremamente curiosa.
    A autora parece ter uma narrativa bem envolvente mesmo, e por meio das suas palavras, senti que vou gostar demais da protagonista.

    Vou ver se tomo vergonha na cara e os leio logo.

    Beijos,

    Pah – Livros & Fuxicos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Oi Fer, tudo bem?

Eu sempre pego esses livros para ler, mas acabo dando prioridade a outros. Contudo, agora fiquei extremamente curiosa.
A autora parece ter uma narrativa bem envolvente mesmo, e por meio das suas palavras, senti que vou gostar demais da protagonista.

Vou ver se tomo vergonha na cara e os leio logo.

Beijos,

Pah – Livros & Fuxicos